Arquivo de março de 2014

Doula de Pós-Parto – Você sabe mesmo o que a Doula de Pós-Parto faz?

Postado por admin em 25/mar/2014 - Sem Comentários

Muito bem, você já sabe “o que é” uma Doula! Agora entenda quem é a Doula de Pós-Parto e o que ela faz… quem é mãe, sabe que significa muito!!! 

A Doula Pós-Parto provê um auxílio à estruturação da nova família, para que todos possam vivenciar a chegada do bebê de uma forma tranquila e gostosa, sem tanto sufoco como costumamos ouvir!

Para isso, o ideal é que o trabalho com a família comece antes mesmo da chegada do bebê, quando são investigadas as rotinas, costumes, necessidades, preocupações e disponibilidade de cada membro da família. Estas informações auxiliam a elaboração de um Plano de Pós-Parto: um planejamento da nova rotina da família, visando o conforto e a alegria de todos, cada um com suas possibilidades e novas funções. Neste momento, é possível receber informação e explorar alternativas de apoio como: otimização dos espaços da casa e do tempo, preparo de refeições para serem descongeladas e consumidas no pós-parto, integração do(s) irmão(s) mais velho(s), etc.

Após o parto, o enfoque das consultas (em geral, à domicílio) são os cuidados e apoio à mãe para que ela possa cuidar bem do bebê, além de possíveis ajustes no Plano de Pós-Parto. Então, estas consultas costumam incluir (além de outras alternativas de apoio) técnicas eficientes e práticas de cuidados com o bebê, dicas e práticas de como acalmá-lo, informação sobre amamentação, massagem e qualquer outro tipo de auxílio que torne a mãe mais confortável (e portanto mais apta) a cuidar do novo bebê.

Esta profissão também não é nova, mas antigamente era exercida pelas mulheres da família da nova mãe: todas as mães contavam com uma rede de apoio e cuidados após darem a luz à seus filhos. Havia uma divisão das tarefas que a mãe costumava realizar antes da chegada do bebê, para que ela pudesse se encarregar de cuidar exclusivamente de seu bebê e garantir então a melhor condição de saúde e conforto para ele. Com esta rede de apoio para a vida prática vinha todo o apoio emocional de que a mulher precisa. Atualmente essa força tarefa é quase inexistente na maioria dos casos, pois moramos mais longe de nossas famílias e praticamente todas as mulheres trabalham fora de casa. Além disso, no mundo competitivo em que vivemos, a mulher muitas vezes acha que esta é mais uma das tarefas que ela tem que dar conta sozinha!

Mas realmente, não é tão fácil assim, pois o puerpério (ou pós-parto) é uma fase da vida da mulher em que os hormônios ainda estão se reequilibrando e a sequência de noites mal-dormidas e novas tarefas com muita responsabilidade (!!) colaboram para um estado de maior labilidade emocional. Neste período, a falta de apoio costuma acarretar em complicações emocionais e físicas que comprometem o vínculo mãe e bebê e a saúde dos dois. Por exemplo, não é mais tão incomum ouvirmos falar de depressão pós-parto, problemas com a amamentação (e adoção de complemento/mamadeira desde cedo), bebês difíceis (que precisam de chupeta, babá, floral, etc) e crianças que precisam de terapia, regime ou são diagnosticadas erroneamente como hiperativas. Muitos dos problemas emocionais da mãe pioram pelo simples fato de ela se sentir fracassada por não conseguir fazer tudo sozinha e sentir vergonha disto, pois teoricamente todas as ouras mulheres conseguem fazer…

Por isso, o planejamento e o apoio presencial no pós-parto são tão importantes! E a Doula de Pós-Parto ajuda com tudo isso!! E ainda pode auxiliar a nova mãe a encontrar grupos de pós-parto*!

Doula 31

 

*Grupos de Pós-parto são reuniões de mães (mediadas geralmente por profissionais da área), nas quais cada mulher pode expor suas dificuldades, debater tópicos relacionados ao momento que está vivendo, escutar e ser escutada por quem entende do assunto. Por mais que a mulher se sinta extremamente cansada e sem vontade de sair de casa, vale a muito a pena participar!! E os bebês geralmente também são bem-vindos.

Fisioterapia Ortopédica – Você sabe mesmo o que é?

Postado por admin em 25/mar/2014 - Sem Comentários

Fisio Ortopédica, todo mundo sabe o que é, né?! Envolve choquinho, calorzinho, às vezes gelo, manipulação (mágica!), dores na coluna, joelho e ombro machucado, tornozelo torcido, dor no quadril e um montão de coisas assim, certo?

Será só isso mesmo?! Confira a descrição (e como eu enxergo) uma das minhas especialidades:

A Fisioterapia Ortopédica tem o objetivo de prevenir e tratar distúrbios na estrutura e mecânica do corpo humano. As dores e disfunções de origem ortopédica ou decorrentes de traumatismos são tratadas através de recursos terapêuticos como a eletroterapia (choquinho, certo! mas tb ultrassom, laser, etc), o fortalecimento e alongamento muscular, a terapia manual – manipulação mágica!(Maitland, Mulligan, Osteopatia, etc), o uso de Kinesiotape (sim, aqueles esparadrapos coloridos dos atletas!), orientações de proteção articular (qual é o melhor jeito de sentar, levantar, etc) e outros.

A cuidadosa aplicação destes recursos é capaz de aliviar dores, reduzir inflamações, recuperar movimentos e por isso, permite o retorno às atividades do cotidiano ou à prática esportiva, que é sempre estimulada.

Ao contrário do que se pratica usualmente nas muitas clínicas de ortopedia do país onde o “paciente” contrata um pacote de 10 sessões a serem realizadas em praticamente 2 semanas, eu acredito que cada pessoa pode (e deve) conseguir reestabelecer a saúde do seu corpo de forma independente, equilibrando forças musculares e a ativação de cada um dos mais de 600 músculos que temos no corpo. Até porque, ficar dependente de um fisioterapeuta para cada dorzinha que aparecer não é lá o que queremos para a nossa vida, certo?!

Por isso, além de oferecer apoio e tratamento especializado, procuro pautar toda a minha atuação em educação sobre a biomecânica envolvida no incômodo em questão (explico tudinho, até que a pessoa entenda o que está acontecendo e o que piora e melhora!), orientações de proteção articular e conservação de energia (o que não pode fazer, como ajudar a melhorar no dia-a-dia), orientações de alívio de dor caseiras (sim, é possível! e você não precisa frequentar o consultório diariamente) e exercícios que auxiliam a retomada do equilíbrio muscular (é verdade, tem lição de casa!). Assim, procurando ajudar o cliente a entender seu corpo e trabalhar a favor dele, atuo como uma coadjuvante dos tratamentos e conquistas dos meu clientes, guiando-os e aplicando tudo o que aprendi para deixá-los mais confortáveis em sua própria casa, o CORPO.

Doula – Você sabe mesmo o que a Doula faz?

Postado por admin em 25/mar/2014 - Sem Comentários

Você sabe o que significa Doula? Sabe o que ela faz?

Continue lendo para entender o que é esta profissão tão útil que eu exerço com tanto prazer…

A palavra “Doula” significa “mulher que serve”. Nos dias de hoje, aplica-se às mulheres que dão suporte físico e emocional a outras mulheres antes, durante e após o parto.

Geralmente, quando usamos o termo “Doula” sozinho, estamos nos referindo à mulheres que fornecem auxílios relacionados somente ao momento da chegada do bebê.

Neste caso, a Doula orienta o casal sobre o que esperar do parto e pós-parto, explica o trabalho de parto e os procedimentos comuns, ajuda a mulher a se preparar física e emocionalmente e ajuda o casal a elaborar o Plano de Parto deles, que é importante para que eles pensem e escolham bem o que pretendem para cada momento do parto. Durante o parto, a Doula funciona como uma interface entre a equipe de atendimento e o casal, ajuda a parturiente a encontrar posições mais confortáveis para o trabalho de parto e parto, propõe/proporciona medidas naturais de alívio de dor, medo e ansiedade, provê tranquilidade, segurança e apoio e cuida do ambiente para que ele permaneça tranquilo e acolhedor.

Com tantas funções, por que você nunca ou raramente ouviu falar esse nome? Porque antigamente a gestante costumava receber este tipo de serviço das mulheres da própria família que já tinham experiência materna. E mesmo depois do parto nas primeiras semanas de vida do bebê, lá estava a mãe cercada de mulheres que a auxiliavam com o aleitamento, nos afazeres da casa e na estruturação das relações na nova família. Por isso, até pouco tempo atrás, apesar de toda a especialização em torno da assistência à maternidade (obstetras, enfermeiros, pediatras, etc), ainda existia uma lacuna, que foi justamente preenchida pela Doula: a acompanhante profissional do parto que cuida do bem estar físico e emocional da mulher que está dando à luz.

Não é frescura, este é um papel realmente importante!! Tanto que em diversos países da Europa, a Doula faz parte da equipe de parto até do serviço público. E diversos estudos já foram publicados mensurando a importância da atuação delas; veja abaixo algumas constatações sobre o que a atuação delas costuma promover:

– Diminui em 50% as taxas de cesárea
– Diminui em 20% a duração do trabalho de parto
– Diminui em 60% os pedidos de anestesia
– Diminui em 40% o uso da ocitocina
– Diminuir em 40% o uso de fórceps.

Bom, né?! Vale a pena!! 

E não se preocupe, a Doula não substitui o pai (ou o acompanhante escolhido pela mulher) durante o trabalho de parto! Temos papéis diferentes!! E geralmente a Doula ajuda o pai/acompanhante a se fazer presente de forma ativa, efetiva e carinhosa, mostrando formas de confortar a mulher, mostrando os melhores pontos em que ele pode massageá-la, reforçando a união da família e muitas outras coisas. É bom porque ajuda a firmar o vinculo afetivo e emocional, tanto com a mãe, quanto com o bebê.

Sim, é bom, muito bom mesmo! A verdade é que todo mundo sai ganhando: a mãe, o pai e o bebê ganham mais saúde, disposição e uma experiência mais tranquila e feliz; o médico/parteira/obstetriz e o hospital poupam horas de trabalho e assistência; e a Doula ganha mais uma experiência maravilhosa presenciando o nascimento de uma nova vida!!

Doula 18

RPG – Você sabe mesmo o que é?

Postado por admin em 25/mar/2014 - Sem Comentários

Todo mundo já ouviu falar em RPG, certo? E muita gente já até fez…. a maioria das pessoas me fala que apesar de obterem resultados, achou tudo muito esquisito! Será que não seria interessante saber exatamente o que é RPG, quais os princípios básicos desta técnica e como tudo isso funciona para parar de achar tudo tão esquisito?

Vamos começar do começo: RPG significa Reeducação Postural Global. É o nome atribuído a uma das técnicas da Fisioterapia que visa reorganização e ajustes dos segmentos corporais, com o objetivo de re-alinhar a postura do indivíduo.

E por que isto é importante? Porque o desalinhamento de segmentos corporais (coluna corcunda, joelho para dentro, pés para fora, um ombro mais alto que o outro, etc) pode sobrecarregar articulações, ligamentos, músculos e tendões que, com o tempo, começam a promover mais desalinhamentos, mais sobrecargas, desgastes e consequentemente, dor! 🙁

Partimos do princípio de que os músculos do corpo estão todos interligados e portanto, qualquer lesão afeta o corpo todo, de alguma forma. Parece exagero, mas a explicação é tão simples quanto a constatação destes efeitos é corriqueira no consultório. Quer ver?

Imagine que você torceu o seu tornozelo esquerdo na semana passada. Doeu muito na hora e depois de alguns dias você já voltou a colocar o pé no chão novamente, de leve. Tudo bem, esta dor com certeza vai passar!! E logo você vai poder colocar o pé no chão normalmente. Mas para entender nosso ponto de vista, procure se lembrar do esforço que você fez para manter o seu pé esquerdo no ar durante os dias em que estava doendo muito… procure se lembrar de quantos dias ficou com a coluna e o quadril todo torto para conseguir a proeza de ficar de pé em um pé só! Não é impossível, claro, mas exige um esforço! E este esforço é automático, é algo que seu corpo faz independente de você pensar nisso, para se proteger da dor.

É uma solução maravilhosa: você não precisou ficar pensando o tempo inteiro em tirar o pé do chão! Mas é exatamente aí o começo do problema: o corpo não sabe desfazer todos estes ajustes automaticamente, da mesma forma que os criou! 🙁

Por isso é que, geralmente muito tempo depois, você começa a ter uma dor no quadril ou na coluna e não faz a menor ideia de onde veio! Ou simplesmente nota que sua coluna está torta e parece que ontem mesmo estava tudo normal! Triste, né?!

A verdade é que é preciso saber destes ajustes para conseguir desfazê-los conscientemente quando eles já não são mais necessários para você. E é isto o que o RPG faz: ajustes daqui e dali, remontando o corpo como ele não deveria ter deixado de ser.

Assim: em posturas de carga (de pé ou sentado) ou não (deitado), com as pernas flexionadas ou não, respirando esquisito (o padrão fisiológico de volta!), fortalecendo e alongamento de maneira estática para equilibrar os músculos responsáveis pela postura, ou seja, bem diferente do fortalecimento e alongamento que já estamos acostumados a fazer. Na evolução destas posturas (estica a perna, fecha o braço, empina o bumbum, etc) o corpo passa por todas as combinações de postura que ele pode realizar no dia-a-dia e por isso o resultado é global, faz diferença na postura do dia inteiro. Até para dormir!

E sem precisar pensar exatamente em tudo isso, escolher qual é o jeito melhor para ficar, porque os músculos foram trabalhados e “libertados” daquele esforço que estavam fazendo para manter você sem dor (sem o pé no chão), então eles adoram isso, estão voltando ao normal!! E ficam mais confortáveis de novo, ufa!

Os resultados costumam ser rápidos mas graduais: pequenas mudanças como a mudança da posição do banco do carro são percebidas ao longo do tratamento. A harmonia entre as estrutura são mantidas com qualquer atividade física global (que envolva o corpo todo!). E, a menos que o seu problema seja muito muito antigo, não são necessárias muitas sessões ou um tratamento muito longo como se ouve por aí (1 ano ou mais): geralmente 10 ou 15 sessões semanais resolve muitos problemas!

Bom, né?! E agora faz mais sentido, certo?
Ficou mais fácil de entender, ficou mais fácil de fazer!! 🙂

Então chega de dor! Comece já o seu tratamento, dê uma folga para seus músculos!! 😉