Arquivo da Categoria "Fisioterapia"

Aprendendo sempre, com eles também!

Postado por admin em 09/out/2015 - Sem Comentários

Fisio 125

 

Uma das principais coisas que penso todos os dias que atendo clientes idosos é que somente através de um estilo de vida saudável podemos viver com leveza o fim da vida, independente de quantos anos esse período dure (nunca sabemos quanto será!).

Viver de forma saudável sem dúvida envolve cuidar do corpo, nossa primeira casa; mas também envolve duas outras coisas que também considero importante: dinheiro e desenvolvimento espiritual. Vamos a cada uma delas com os detalhes mais relevantes:

  • Cuidar do Corpo: mesmo com todo avanço da medicina, algumas peças do corpo ainda não são substituíveis; e mesmo que fossem, a reposição de cada uma envolve sempre uma cirurgia com todos os seus riscos de anestesia, embolia e outras complicações. Assim, uma boa alimentação durante a vida e uma atividade física regular (pelo menos 3 vezes por semana) são as únicas formas de estender o prazo de validade das articulações, ossos e coração, além de garantir músculos flexíveis e fortes, boa coordenação motora e equilíbrio. É exatamente aqui que a fisioterapia entra.
  • Dinheiro: no Brasil, ter acesso a equipe e tratamento médico de qualidade infelizmente ainda depende de poder pagar um bom (e caro) plano de saúde e, como o idoso tem menos reservas energéticas para ficar na triste fila do SUS ou de hospital ruim, isso faz diferença sim! Além disso, é praticamente uma questão de saúde mental (do idoso e sua família) poder contar com um bom pronto-socorro para checar uma tosse persistente, assim como poder acompanhar (de forma decente para poder ser constante) um idoso hospitalizado inclusive para diminuir o preocupante impacto que ele sofre por estar longe de casa (desorientação é extremamente insalubre).
  • Desenvolvimento espiritual: não necessariamente associado à qualquer tipo de religião, mas sim àquela força que nos ajuda todos os dias a seguir em frente, superar obstáculos, rever e mudar estratégias, aceitar bem o que não podemos mudar… essas são as chaves de uma vida saudável sempre, mas isso faz ainda mais diferença com o passar dos anos, quando invariavelmente, perdemos aos poucos a nossa independência.

 

Todas estas coisas funcionando juntas formam um ciclo vicioso onde uma colabora para o bom funcionamento da outra, garantindo a preciosa conservação de energia necessária, já que a bateria costuma ter menos autonomia com o passar dos anos. Com tudo isso equacionado, é possível ser uma pessoa flexível que, por sua vez, é importante para viver uma vida mais leve. Viver com leveza torna a pessoa mais agradável, o que é também uma estratégia de sobrevivência para o idoso. Sem contar que o corpo também se beneficia com menos travas, menos limitações.

Da mesma forma, esta equação colabora para o equilíbrio, necessário não apenas para caminhar nas calçadas tortas (e poder manter algumas atividade sociais fora de casa), mas também para manter a fé na vida e seguir em frente após perder entes queridos ou ver um filho sofrer com desemprego, doença, dificuldade financeira, enfim, coisas da vida… também colabora com a coordenação de movimentos e pensamentos, permitindo que o idoso acompanhe mais facilmente todos os bons avanços da tecnologia (imagina poder conversar com eles todos os dias sem precisar necessariamente sair de casa, usando Skype?!) e da modernidade.

Resumindo: atender pessoas idosas me faz querer ser melhor e repensar todos os dias o meu estilo de vida e o que estou plantando hoje. Acompanhá-los é meu grande despertador!! Sou grata a cada um deles!!

 

Atendimento de Idosos

Postado por admin em 09/out/2015 - Sem Comentários

Hoje consideramos idosas as pessoas acima de 60 anos… é pouco atualmente (já estão até pensando alterar para 65), mas mesmo que fosse mais (70 ou 80, já com algumas capacidades alteradas) a idade do idoso é algo que se alcança naturalmente, um dia após o outro, apenas vivendo, ou melhor, continuando a viver… Assim, embora tenhamos esta classificação, não temos uma separação de verdade: nada muda drasticamente no aniversário daquele ano, tudo simplesmente continua mudando… Por isso sempre achei natural atender pacientes idosos e nunca achei que a geriatria tem um olhar muito diferente para o paciente do que o que temos na ortopedia, especialidade que elegi como minha principal no início da carreira.

Em ambas as áreas, devemos levar em consideração as necessidades específicas de cada um, bem como seus DESEJOS particulares… Isso é algo que não muda (nunca, na minha opinião), mas é exatamente este o ponto que gera as maiores confusões, principalmente quando o idoso já passou dos 80 anos… Isso ocorre porque todos que continuam vivendo, naturalmente continuam tendo desejos e uma forma particular de fazer as coisas! O problema é que devido a perda de habilidades comuns à idade, os idosos passam a precisar da ajuda de outras pessoas para honrarem seus desejos e preferências. Aí fica mais difícil… bem mais! Tudo fica mais cansativo para os envolvidos nos cuidados do idoso. Mas para ele também!

Pode parecer que não, mas ele também se incomoda com o par de anos que lhes roubou um tanto de flexibilidade, agilidade, acuidade visual e auditiva… é ruim para a gente que precisa falar alto (às vezes dói a garganta!), mas imagine para eles, que precisam pedir o tempo todo para que repitam o que foi falado…

Aos poucos, a maioria deles desiste  até de tentar juntar os pontinhos entre as palavras que escutaram e aquelas que perderam e vão caminhando para um mundo a parte, só deles, isolado e cheio de limitações progressivas cada vez maiores que contribuem para o adoecimento e morte precoce e/ou sofrida…

Para mim, é muitas vezes aqui que a fisioterapia faz diferença: geralmente não aumentamos muito a força muscular, mas melhoramos o suficiente para garantir uma caminhada mais segura; não proporcionamos o alongamento de uma bailarina, mas garantimos menor gasto energético nas atividades rotineiras; não ensinamos malabarismo, mas garantimos mais agilidade e coordenação motora até para um banho mais curto, com menos risco de queda; não usamos aparelhos importados ou outros recursos mirabolantes (tudo é muito simples mesmo!), mas proporcionamos um olhar atento àquele ser humano que simplesmente continua precisando ser olhado e respeitado… não ensinamos como resolver todos os problemas, mas ensinamos estratégias de segurança em casa, que com o tempo, passou a ser uma armadilha sem fim… às vezes nem conseguimos acabar com a dor (das articulações, das pernas, das mãos…), mas dizemos para eles que acreditamos que está difícil e tentamos adaptar, criar alternativas mais cômodas…

Consequentemente, é a partir do trabalho da fisioterapia que muitas vezes o idoso volta a caminhar ou mesmo a sentar e receber visitas… muitas vezes é a partir do olhar compassivo do profissional que a família entende o idoso em seu novo papel e refaz seus laços, renovando a dose diária de paciência… muitas vezes é a partir daí que o idoso passa a aceitar e conviver melhor com suas limitações progressivas… e é a partir daí que ele descobre um jeito bacana de viver com 80 ou 90 anos, sem focar apenas no peso do fim da vida à espreita ou na saudade dos parentes e amigos que já partiram…

Por essas e por outras, mesmo sendo um trabalho delicado que envolve muito papo com a família e os cuidadores, adoro ajudar velhinhos a se auto-conhecerem! E adoro a oportunidade de aprender com eles (pelos erros e pelos acertos) como me preparar para viver esta idade, me atendo ao essencial já hoje!

Já aprendi muita coisa com este trabalho! Vamos falar mais sobre isso?

 

Fisio 124

Cuidados na Gestação, Parto e Pós-Parto – Assoalho Pélvico

Postado por admin em 13/abr/2014 - Sem Comentários

Para manter a saúde na gravidez e pós-parto e ainda garantir um bom físico para o momento do parto, é necessário fazer algumas coisinhas… principalmente com relação ao Assoalho Pélvico. Mesmo que a via de parto escolhida não seja a vaginal (quando é escolhida uma cesariana), o peso do bebê se desenvolvendo no ventre da mãe durante vários meses requer uma atenção especial, pois é trata-se de uma sobrecarga para esta musculatura.

Sim, o Assoalho Pélvico é um conjunto de músculos (fáscias e ligamentos também), e não simplesmente uma pele!! Ele se localiza entre o osso púbis, o cóccix, fechando a parte de baixo da pelve. Falamos muito pouco dele no dia-a-dia, mas ele consiste uma uma estrutura extremamente importante pois garante a continência urinária e fecal (não deixar escapar xixi ou cocô), bem como a manutenção dos órgãos pélvicos em suas posições anatômicas e a função sexual. O mau funcionamento do Assoalho Pélvico ocasiona muitos desconfortos e constrangimentos que vão desde a comum incontinência urinária e dificuldade de controlar a saída de gases e/ou fezes, até a caída da bexiga e a diminuição do prazer durante o ato sexual.

Por isso é importante cuidar bem dele! O ideal é praticar exercícios de fortalecimento desta musculatura durante toda a gestação e no pós-parto, garantindo que ela dê conta também do peso do bebê e que os órgãos internos voltem ao seu lugar normal o mais rápido possível. Mas quando a escolha da via de nascimento é a vaginal (parto normal ou natural), é bom também praticar alguns alongamentos e massagens específicas da região para evitar lascerações.

Ao contrário do que se acreditava antigamente, sabe-se hoje que a Episiotomia (corte da vulva para “facilitar” o nascimento do bebê) pode prejudicar muito o estado genital das mulheres ao invés de preservá-lo (e não influencia positivamente a saída do bebê), ou seja, ela é mais prejudicial do que benéfica, e portanto deve ser evitada.

Pensando nisso e em uma forma de facilitar a preparação do Assoalho Pélvico feminino para o momento do parto, foi desenvolvido um aparelho simples e muito eficaz com o nome de Epi-no, que quer dizer: EPIsiotomia NÃO. O Epi-No é um aparelho também simples e fácil de usar. Ele pode ser usado tanto para tonificar e fortalecer a musculatura, quanto para aumentar a flexibilidade da musculatura vaginal e períneo, através de exercícios e distensão. Atualmente já é comercializado no Brasil!

Doula 20

Principalmente para as gestantes, vale mesmo a pena se inteirar sobre o assunto, não é?! Todas as orientações e exercícios são bem simples, vale a pena saber mais!!

Drenagem Linfática – Você sabe mesmo o que é?

Postado por admin em 13/abr/2014 - Sem Comentários

O assunto de hoje é DRENAGEM LINFÁTICA – Desmistificando a massagem super famosa e querida entre as mulheres.

Assim, os homens vão passar a entender como também podem se beneficiar desta massagem e porque o apoio deles é tão importante, enquanto as mulheres que já fizeram ou ainda não experimentaram (e esperam efeitos miraculosos desta massagem) saibam seus reais efeitos, que ultrapassam os estéticos…

Vamos lá:

A Drenagem Linfática Manual (DLM) é uma massagem de movimentos firmes e suaves realizados com as mãos do terapeuta, no corpo inteiro do cliente (pois é, homens também podem receber!!). Os movimentos são específicos para atuar no Sistema Linfático, que é uma rede superficial de vasos e gânglios no nosso corpo. Veja bem: a massagem é firme e suave mas nunca vigorosa. Consequentemente, NUNCA promove vermelidão ou hematoma!!!!

A sequência dos repetidos movimentos firmes e suaves muitas vezes produz um efeito relaxante, o que torna a massagem muito agradável, mesmo sem ser profunda. Mas definitivamente, este não é o seu principal objetivo. O Sistema Linfático é responsável pela defesa do nosso corpo (produção de células imunes) e limpeza de toxinas: remove fluidos e ácidos graxos (gorduras) em excesso dos tecidos corporais levando-os para o sistema circulatório (veias sanguíneas). Então, seu efeito é também revigorante, estético (reduz celulites!), auxiliar na redução de edemas e acelerador do processo de cicatrização.

Por isso é que ela é muito utilizada pelas mulheres: elas possuem grande propensão à retenção de líquidos (principalmente no período pré-menstrual e durante a gestação), o que além de ser um inconveniente estético, sobrecarrega funções corporais e portanto contribui para a piora de desconfortos como sonolência, edemas, cefaléias e síndrome do túnel do carpo. Com a massagem, elas costumam se sentir revigoradas, mais leves e mais bonitas! Mas infelizmente a massagem não faz milagre: é preciso malhar, aumentar a ingestão de água e melhorar a alimentação para que a celulite vá embora de vez!!

Pelas funções importantes do Sistema Linfático, esta massagem também é muito recomendada e utilizada no período pós cirúrgico de todos os tipos: mastectomias, cirurgias ortopédicas (joelho, quadril, etc), corretivas e plásticas (abdominoplastia, rinoplastia, implantes, etc). Ela é capaz de acelerar a cicatrização dos tecidos e estruturas envolvidas, melhorando a qualidade e adaptação do corpo à nova estrutura. Por isso, é sempre bom!!

Se você ainda não experimentou, reserve um tempinho e venha conhecer! Semanalmente ou esporadicamente (quando os sintomas pioram ou depois de uma semana estressante) a massagem ajuda no reequilíbrio do corpo e suas funções!!

Fisioterapia na Saúde da Mulher

Postado por admin em 11/abr/2014 - Sem Comentários

Você sabe o qual é a atuação da Fisioterapia na Saúde da Mulher?

Parece frescura, mas não é! A mulher tem ciclos e características próprias que merecem ser cuidados com atenção especial. Entenda:

A Fisioterapia na Saúde da Mulher visa prevenir e tratar mulheres em situações obstétricas (grávidas), puérperas (pós-parto) ou de patologias uroginecológicas e mamária (câncer de mama só mulher tem, né?!). Além claro de outras situações que são definidas pelo ambiente e costumes comuns à mulheres…

Todo o trabalho é feito através de programas especializados e personalizados, pois o objetivo é a saúde e o bem-estar da mulher. Com ajuda, a mulher pode se adaptar de forma mais tranquila e suave às diferentes fases da vida (da adolescência ao climatério), se preparar mais adequadamente para a gestação e parto e se reabilitar de patologias que atingem mais comumente (ou exclusivamente) o sexo feminino. Por exemplo: incontinência urinária, câncer de mama, fibromialgia, dor pélvica crônica, disfunções sexuais e etc.

Para cada situação e pessoa o programa inclui diferentes técnicas, abordagens e orientações como exercícios de fortalecimento e/ou alongamento do assoalho pélvico, drenagem linfática, alongamentos, pilates diferenciado, RPG e outros. É muito útil, vale a pena! 

Acesse o link abaixo o resultado de um estudo científico recente sobre a importância da diferença dos gêneros para a eficácia das orientações dadas pelos fisioterapeutas aos idosos:

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-51502012000400002&lang=pt

Fisioterapia Ortopédica – Você sabe mesmo o que é?

Postado por admin em 25/mar/2014 - Sem Comentários

Fisio Ortopédica, todo mundo sabe o que é, né?! Envolve choquinho, calorzinho, às vezes gelo, manipulação (mágica!), dores na coluna, joelho e ombro machucado, tornozelo torcido, dor no quadril e um montão de coisas assim, certo?

Será só isso mesmo?! Confira a descrição (e como eu enxergo) uma das minhas especialidades:

A Fisioterapia Ortopédica tem o objetivo de prevenir e tratar distúrbios na estrutura e mecânica do corpo humano. As dores e disfunções de origem ortopédica ou decorrentes de traumatismos são tratadas através de recursos terapêuticos como a eletroterapia (choquinho, certo! mas tb ultrassom, laser, etc), o fortalecimento e alongamento muscular, a terapia manual – manipulação mágica!(Maitland, Mulligan, Osteopatia, etc), o uso de Kinesiotape (sim, aqueles esparadrapos coloridos dos atletas!), orientações de proteção articular (qual é o melhor jeito de sentar, levantar, etc) e outros.

A cuidadosa aplicação destes recursos é capaz de aliviar dores, reduzir inflamações, recuperar movimentos e por isso, permite o retorno às atividades do cotidiano ou à prática esportiva, que é sempre estimulada.

Ao contrário do que se pratica usualmente nas muitas clínicas de ortopedia do país onde o “paciente” contrata um pacote de 10 sessões a serem realizadas em praticamente 2 semanas, eu acredito que cada pessoa pode (e deve) conseguir reestabelecer a saúde do seu corpo de forma independente, equilibrando forças musculares e a ativação de cada um dos mais de 600 músculos que temos no corpo. Até porque, ficar dependente de um fisioterapeuta para cada dorzinha que aparecer não é lá o que queremos para a nossa vida, certo?!

Por isso, além de oferecer apoio e tratamento especializado, procuro pautar toda a minha atuação em educação sobre a biomecânica envolvida no incômodo em questão (explico tudinho, até que a pessoa entenda o que está acontecendo e o que piora e melhora!), orientações de proteção articular e conservação de energia (o que não pode fazer, como ajudar a melhorar no dia-a-dia), orientações de alívio de dor caseiras (sim, é possível! e você não precisa frequentar o consultório diariamente) e exercícios que auxiliam a retomada do equilíbrio muscular (é verdade, tem lição de casa!). Assim, procurando ajudar o cliente a entender seu corpo e trabalhar a favor dele, atuo como uma coadjuvante dos tratamentos e conquistas dos meu clientes, guiando-os e aplicando tudo o que aprendi para deixá-los mais confortáveis em sua própria casa, o CORPO.

RPG – Você sabe mesmo o que é?

Postado por admin em 25/mar/2014 - Sem Comentários

Todo mundo já ouviu falar em RPG, certo? E muita gente já até fez…. a maioria das pessoas me fala que apesar de obterem resultados, achou tudo muito esquisito! Será que não seria interessante saber exatamente o que é RPG, quais os princípios básicos desta técnica e como tudo isso funciona para parar de achar tudo tão esquisito?

Vamos começar do começo: RPG significa Reeducação Postural Global. É o nome atribuído a uma das técnicas da Fisioterapia que visa reorganização e ajustes dos segmentos corporais, com o objetivo de re-alinhar a postura do indivíduo.

E por que isto é importante? Porque o desalinhamento de segmentos corporais (coluna corcunda, joelho para dentro, pés para fora, um ombro mais alto que o outro, etc) pode sobrecarregar articulações, ligamentos, músculos e tendões que, com o tempo, começam a promover mais desalinhamentos, mais sobrecargas, desgastes e consequentemente, dor! 🙁

Partimos do princípio de que os músculos do corpo estão todos interligados e portanto, qualquer lesão afeta o corpo todo, de alguma forma. Parece exagero, mas a explicação é tão simples quanto a constatação destes efeitos é corriqueira no consultório. Quer ver?

Imagine que você torceu o seu tornozelo esquerdo na semana passada. Doeu muito na hora e depois de alguns dias você já voltou a colocar o pé no chão novamente, de leve. Tudo bem, esta dor com certeza vai passar!! E logo você vai poder colocar o pé no chão normalmente. Mas para entender nosso ponto de vista, procure se lembrar do esforço que você fez para manter o seu pé esquerdo no ar durante os dias em que estava doendo muito… procure se lembrar de quantos dias ficou com a coluna e o quadril todo torto para conseguir a proeza de ficar de pé em um pé só! Não é impossível, claro, mas exige um esforço! E este esforço é automático, é algo que seu corpo faz independente de você pensar nisso, para se proteger da dor.

É uma solução maravilhosa: você não precisou ficar pensando o tempo inteiro em tirar o pé do chão! Mas é exatamente aí o começo do problema: o corpo não sabe desfazer todos estes ajustes automaticamente, da mesma forma que os criou! 🙁

Por isso é que, geralmente muito tempo depois, você começa a ter uma dor no quadril ou na coluna e não faz a menor ideia de onde veio! Ou simplesmente nota que sua coluna está torta e parece que ontem mesmo estava tudo normal! Triste, né?!

A verdade é que é preciso saber destes ajustes para conseguir desfazê-los conscientemente quando eles já não são mais necessários para você. E é isto o que o RPG faz: ajustes daqui e dali, remontando o corpo como ele não deveria ter deixado de ser.

Assim: em posturas de carga (de pé ou sentado) ou não (deitado), com as pernas flexionadas ou não, respirando esquisito (o padrão fisiológico de volta!), fortalecendo e alongamento de maneira estática para equilibrar os músculos responsáveis pela postura, ou seja, bem diferente do fortalecimento e alongamento que já estamos acostumados a fazer. Na evolução destas posturas (estica a perna, fecha o braço, empina o bumbum, etc) o corpo passa por todas as combinações de postura que ele pode realizar no dia-a-dia e por isso o resultado é global, faz diferença na postura do dia inteiro. Até para dormir!

E sem precisar pensar exatamente em tudo isso, escolher qual é o jeito melhor para ficar, porque os músculos foram trabalhados e “libertados” daquele esforço que estavam fazendo para manter você sem dor (sem o pé no chão), então eles adoram isso, estão voltando ao normal!! E ficam mais confortáveis de novo, ufa!

Os resultados costumam ser rápidos mas graduais: pequenas mudanças como a mudança da posição do banco do carro são percebidas ao longo do tratamento. A harmonia entre as estrutura são mantidas com qualquer atividade física global (que envolva o corpo todo!). E, a menos que o seu problema seja muito muito antigo, não são necessárias muitas sessões ou um tratamento muito longo como se ouve por aí (1 ano ou mais): geralmente 10 ou 15 sessões semanais resolve muitos problemas!

Bom, né?! E agora faz mais sentido, certo?
Ficou mais fácil de entender, ficou mais fácil de fazer!! 🙂

Então chega de dor! Comece já o seu tratamento, dê uma folga para seus músculos!! 😉

Lesões mais comuns no Tênis – Parte 2 (Punho)

Postado por admin em 31/maio/2013 - Sem Comentários

Para o tenista, o punho é bastante importante uma vez que define a qualidade do golpe com a raquete. Overuse, erro técnico e equipamento inadequado (além de trauma direto) são as principais causas de lesão no punho. Vamos entender um pouco mais sobre cada uma?

– Inflamação da cartilagem triangular:

Anatomia: a fibrocartilagem triangular (FCT) é um pequeno disco triangular, com estrutura bem parecida com a do menisco do joelho. Ela está localizada entre os ossos do antebraço (rádio e ulna) e o conjunto de ossos da mão (ossos do carpo), conforme conseguimos ver na figura abaixo:

Fibrocartilagem Triangular

Dá para ver que ela se localiza mais perto da porção ulnar do punho (lado do dedo mínimo), que é onde o tenista costuma referir a dor.

Biomecânica: Juntamente com os ligamentos desta região, que conectam os ossos do antebraço aos ossos da mão (figura abaixo), ela forma o complexo da fibrocartilagem triangular (CFCT). O CFCT tem as funções super importantes de estabilizar dinamicamente a articulação (principalmente durante a rotação do punho) e absorver forças axiais (impactos durante um choque/queda ou força de preensão da mão), permitindo o movimento suave e preciso da articulação do punho.

Complexo Fibrocartilagem Triangular

Fisiopatologia: A Lesão do FCT resulta normalmente de situações traumáticas (quedas com a mão estendida), de descarga de peso sobre as mãos (na ginástica olímpica, por exemplo), de movimentos fortes de torcer ou puxar realizados frequentemente (com ferramentas ou esportes com raquetes), de movimentos combinados ou ainda, de movimentos realizados em amplitudes extremas da articulação do punho.

No caso dos tenistas, o movimento combinado de extensão do punho+desvio ulnar+supinação costuma ser a causa da lesão e este é o movimento da mão não dominante no backhand de duas mãos ou da mão dominante no forehand, durante a preparação e swing antes do contato com a bola. O movimento em amplitude excessiva pode aparecer a fim de compensar a falta de giro do tronco (principalmente no backhand), equipamentos e técnica inadequados.

Sintomas: A pessoa apresentará dor na borda ulnar do punho (lado do dedo mínimo), que se intensifica principalmente com os movimentos de rotação do antebraço (pronação), preensão palmar e desvio ulnar; por isso, provavelmente também apresentará dificuldade, dor e até insegurança (devido à fraqueza) para suportar um peso (principalmente sobre a mão espalmada) ou girar uma maçaneta ou chave.

Tratamento: O tratamento sempre preconizará o alívio da dor (e outros sintomas) e o reequilíbrio biomecânico do punho. Para isso, poderá ser necessário realizar um período de repouso total ou relativo (imobilizar ou apenas evitar os movimentos que causam dor), aplicar recursos de analgesia (gelo, TENS ou Ultrassom), manipular a articulação, fortalecer e alongar músculos ou até mesmo realizar cirurgia (geralmente artroscópica). Os resultados dos exames clínicos e de imagem (ressonância magnética) de cada paciente ajudarão o médico e o(a) fisioterapeuta a decidir quando e quais procedimentos deverão ser realizados.

Lesões mais comuns no Tênis – Parte 1

Postado por admin em 31/maio/2013 - Sem Comentários

Nunca fui super fã de Tênis… mas, como tenho recebido muitos tenistas no consultório, resolvi escrever sobre a visão que tenho deste mundo… as Lesões mais comuns no Tênis.

Bom, esta é uma tentativa de ajudá-los a entender o que realmente se passa com o corpo e portanto, é a oportunidade de deixarem de pensar que são azarados por sentirem essa dor ou aquela outra… para isso, tenho que começar do começo: o início da “carreira” no tênis!

Geralmente os tenistas começam a praticar despretensiosamente, apenas com alguns treinos curtos durante a semana; depois de algum tempo, estão inscritos em diversos torneios com o pessoal do clube ou da academia. Neste ambiente super empolgante e contagioso, qualquer dor aqui ou ali deve passar desapercebida porque simplesmente “não dá” para parar de treinar e jogar!! Assim começa a busca quase interminável pela solução milagrosa: trocar de raquete, trocar de tênis, colocar gelo, comprar acessórios novos, fazer um pouco do que cada colega faz (médicos de plantão!), e mais mil outras coisas e receitas que acharam na internet… infelizmente, na maioria das vezes é assim que o problema vai criando raízes mais profundas e sombras maiores, se tornando crônico, mais complexo e limitante…

Por isso, preste atenção: assim como a dor não apareceu em um passe de mágica, também não sumirá assim!! Levará algum tempo e custará algum esforço, talvez na mesma medida que você “investiu” para adquirir a lesão.

Explicando: praticamente toda lesão (com exceção dos traumas) ocorre em consequência de um desequilíbrio biomecânico, ou seja, alguns músculos trabalhando mais enquanto alguns outros estavam “descansando”. O resultado disso é que alguém fica sobrecarregado: o músculo que está trabalhando mais ou um tendão, ligamento, cartilagem, etc… Portanto, para consertar o problema que causa a dor, temos que trabalhar para re-instaurar o equilíbrio… de uma forma geral, conseguimos isto através dos famosos exercícios de fortalecimento muscular (e alongamentos) da fisioterapia. ATENÇÃO novamente: não é musculação ainda!! Estes você faria se estivesse em plena forma física, para ganhar mais massa muscular! Os exercícios da fisioterapia irão levá-lo ao ponto zero! Sim, porque com dor, você está no negativo, certo?! Então, primeiramente vamos corrigir o movimento (fortalecendo os músculos que estavam descansando) e depois você será encorajado a manter tudo funcionando bem em sua prática esportiva…

Tentando simplificar e facilitar o entendimento, vou falar então de cada lesão específica nos posts seguir. Mas lembre-se que cada caso deve ser avaliado particularmente, pois estas informações formam apenas um panorama geral para que você entenda melhor o que está acontecendo, ok?!

Espero que todos gostem e aproveitem as informações!

Início de tudo…

Postado por admin em 23/abr/2013 - Sem Comentários

perfil

Olá mundo!!

Depois de muito trabalho de bastidores, finalmente está tudo pronto! Ou quase, porque sempre vejo mais alguns pequenos detalhes para alterar e melhorar aqui e ali!! hehe…

Mas enfim, já retomei os atendimentos, o site está no ar e o blog está começando…

Estou muito feliz por poder finalmente compartilhar mais do meu trabalho com vocês! Mais do que permeia a minha cabeça, do que fundamenta o meu trabalho, minhas atitudes e ações, mais do meu mundo!!

Sejam todos bem-vindos! Acessem, comentem, compartilhem e indiquem! Tudo será recebido com muita gratidão!

Saudações alegres,

Lúcia Desideri Junqueira